Aquivos por Autor: Poupado

Melhor Banco e Banco mais Sólido - Depósitos a Prazo

Melhores Depósitos a Prazo na segunda metade de 2019

Quis os Melhores Depósitos a Prazo na segunda metade de 2019? O ano de 2019 trouxe a manutenção do cenário de baixas taxas de juro tanto nos empréstimos como nos depósitos a prazo. Também por isso, deixou de se justificar a atualização mensal da nossa base de dados.

Ainda assim faz sentido fazer um ponto da situação e apresentar uma atualização que deverá permanecer útil durante vários meses.

Os depósitos promocionais continua ma ser os mais atraentes, contudo costumam só ser oferecidos a novos clientes. Ainda assim há oferta que permite acompanhar ou mesmo superar a taxa de inflação, permitindo assim manter o até ganhar algum poder de compra.

Terá de estudar a oferta, analisar o que pretende fazer em termos de imobilização e montante de capital que tem para aforrar. E, claro, não deve esquecer a oferta pública, nomeadamente através dos certificados do tesouro e dos certificados de aforro que estão especialmente competitivos.

Sobre a inflação vale a pena dizer que se mantém deprimida e, nos meses mais recentes tem vindo a desacelerar significativamente. Por exemplo, em julho de 2019, os preços caíram mesmo quando comparados com os de julho de 2018. E já se sabe, se a taxa de juro de um depósitos a prazo superar a taxa de inflação, o poder de compra aumenta, seja qualquer for a taxa de remuneração em causa.

 

Melhores Depósitos a Prazo na segunda metade de 2019

Eis uma pequena amostra da oferta que identificámos recentemente. Pode encontrar a informação completa na página com a última atualização das melhores taxas de juro de depósitos a prazo.

 

Banco Prazo Nome do Depósito TANB TANL Tipo de Taxa Depósito Mínimo Depósito Máximo Perda de juros com mobilização antecipada Só para novos capitais?
BEST 3 meses 2% Novos Clientes 2 1,440 Juros pagos à cabeça 2.500 40.000 N/A Novos clientes
Banco BIG 3 meses Super Depósito 2 1,440 Fixa 500 50.000 Não Novos clientes
Banco Carregosa 3 meses Go Bulling Bem-Vindo 2 1,440 Fixa 5.000 50.000 80% Sim
Banco Privado Atlântico – Europa 3 meses Boas Vindas 2 1,440 Fixa 500 50.000 N/A Sim
BNI Europa 3 anos(s) Promocional 36 Meses 1,6 1,152 Fixa 1.000 N/A Não Mobilizável Novos clientes
ESTADO – IGCP 7 anos(s) Certificados do Tesouro Poupança Crescimento 1,39 1,003 Crescente (média de 7 anos)+Variável PIB 1.000 1.000.000 100% Não
BNI Europa 3 anos(s) Promocional 36 Meses 1,35 0,972 Fixa 1.000 N/A Mobilizável Novos clientes
ESTADO – IGCP 6 anos(s) Certificados do Tesouro Poupança Crescimento 1,25 0,900 Crescente (média de 6 anos)+Variável PIB 1.000 1.000.000 100% Não
ESTADO – IGCP 5 anos(s) Certificados do Tesouro Poupança Crescimento 1,11 0,799 Crescente (média de 5 anos)+Variável PIB 1.000 1.000.000 100% Não
Invest 3 meses Choice Novos Montantes 1,1 0,792 Fixa 2000 75000 50% Sim
Bancos com melhores depósitos a prazo

Algum depósito a prazo oferece retorno positivo em finais de 2018?

Algum depósito a prazo oferece retorno positivo? A taxa de inflação medida pela variação média anual está a “comer” 1,2% ao ano, ou seja, nenhum depósito que pague menos do que 1,67% de TANB (para considerar já a fatia que é levada pelo IRS) garantirá a manutenção do poder de compra associado ao capital poupado no depósito.

Por outro lado, nos meses mais recentes, a própria taxa de inflação está a acelerar a subida. Em setembro de 2018, os preços subiram 1,4% face a setembro de 2017 (acima dos 1,2% de média anual) pelo que a tendência será a de que, a menos que as taxas de juro dos depósitos comecem a recuperar (o que não se adivinha para já) haverá cada vez menos depósitos capazes de garantir um retorno positivo.

 

Vale a pena aforrar em depósitos a prazo?

Depende. Se o investidor/aforrador está determinado em ter um retorno acima da inflação para conseguir aumentar o seu poder de compra, de facto, os depósitos estão “fora de moda”, mas é preciso ter em conta que o desejo de mais retorno costuma implicar correr maiores riscos. E aí, estamos perante um lema que tanto é válido para o cenário em que o depósito pagou menos que a inflação, como aquele em que simplesmente pagam menos do que o investidor quer ganhar. Ou seja, depende sempre de quanto é que se quer tentar ganhar e, necessariamente arriscar.

Mas suponhamos que o aforrador costuma preferir os depósitos porque é avesso ao risco ou porque quer manter “aquela parte” da sua poupança aplicada em ativos menos arriscados.

Nesse caso a resposta à pergunta implicará olhar para as alternativas. Há uma alternativa que é necessariamente pouco interessante: ter o dinheiro debaixo do colchão. Aí a perda do poder de compra é total, no sentido em que enfrentar o poder total da taxa de inflação. Ou seja, o depósito a prazo, pode mitigar de forma significativa essa erosão monetária. Não ganha grande coisa ou mesmo nada mas também não fica a perder ou perde muito menos poder de compra do que se tiver o dinheiro na conta à ordem ou, literalmente, debaixo do colchão.

Outra alternativa é considerar os títulos de dívida pública como os certificados de aforro, do tesouro ou as OTRV. Todos garantem o capital no final do prazo e um retorno maior que zero, sendo que dependendo do prazo do investimento poderão ser ou não mais interessantes do que os depósitos a prazo. Garantias de ficar acima da inflação é que também não dão. Para já, para prazos acima de um ano, tendem a oferecer taxas mais competitivas isto se considerarmos, em particular, os certificados do tesouro poupança crescimento.

Este último produto, em especial, bem menos atraente do que o seu predecessor, os certificados do tesouro poupança mais, continuam, ainda assim a ser a melhor oferta em termos de taxa de juro para aplicações mais longas, acrescentando ao juro garantido e tabelado, um adicional potencial e nunca negativo, associado ao desempenho da economia portuguesa (taxa de crescimento do PIB).

Nesta tabela pode ver qual a taxa de juro associada aos certificados considerando que os mantém por prazos entre 1 ano (prazo mínimo de imobilização) a 7 anos (o máximo legal). Considerou-se que não havia bonificação associada ao PIB.

 

Banco   Prazo   Nome do Depósito   TANB   TANL   Depósito Mínimo   Depósito Máximo   Perda de juros com mobilização antecipada
ESTADO – IGCP   7 anos(s)   Certificados do Tesouro Poupança Crescimento   1,39   1,003   1 000   1 000 000   100%
ESTADO – IGCP   6 anos(s)   Certificados do Tesouro Poupança Crescimento   1,25   0,900   1 000   1 000 000   100%
ESTADO – IGCP   5 anos(s)   Certificados do Tesouro Poupança Crescimento   1,11   0,799   1 000   1 000 000   100%
ESTADO – IGCP   4 anos(s)   Certificados do Tesouro Poupança Crescimento   0,98   0,702   1 000   1 000 000   100%
ESTADO – IGCP   3 anos(s)   Certificados do Tesouro Poupança Crescimento   0,85   0,612   1 000   1 000 000   100%
ESTADO – IGCP   2 anos(s)   Certificados do Tesouro Poupança Crescimento   0,75   0,540   1 000   1 000 000   100%
ESTADO – IGCP   1 anos(s)   Certificados do Tesouro Poupança Crescimento   0,75   0,540   1 000   1 000 000   Não mobilizável (no 1º ano)
ESTADO – IGCP   3 meses   Certificados de Aforro   0,681   0,490   100   250 000   Não mobilizável (nos 1ºs 3 meses)

 

Conclusões

Em suma:

  • Se é para ter o dinheiro à ordem porque acha que ganha 1% ao mês é ridículo num depósito a prazo, a verdade é que é 1% a menos que perde.
  • Se prefere minimizar a perda de poder de comprar sem correr mais riscos do que os inerentes a um depósito a prazo, então analise o comparativo onde os depósitos a prazo competem com os certificados de aforro e os certificados do tesouro poupança crescimento e escolha a melhor opção para o prazo que está disposto a ter o dinheiro parado.
  • Se admite correr mais riscos para fugir a depósitos que não garantem retorno positivo, recomendamos que olhe para outros ativos mais agressivos, deixando a nota de cautela de que convém que perceba em que é que está a investir. Se não conseguir perceber bem o produto é meio caminho andado para que muito provavelmente não seja um investimento para si, por mais simpático que seja um eventual gestor de conta.

Boas sorte e bons negócios!

Depósitos a Prazo: última atualização de 2018

As taxas de juro poderão já ter começado a subir lá longe, do outro lado do Atlântico, mas para já e, provavelmente, durante largos meses, as consequências desse movimento não serão sentidas ao nível dos depósitos a prazo em Portugal.

 

Depósitos a Prazo: última atualização de 2018

Na atualização ao conjunto das melhores taxas de juro de depósitos a prazo que completámos a 5 de outubro de 2018 constatámos que nos últimos seis meses muitos bancos mantiveram as suas taxas sem alteração e os poucos que as reviram fizeram-no em baixa, partindo de um posição acima da média global para convergirem com o resto da “manada” ou quase…

De facto, apesar de as taxas de juro dos depósitos a prazo, no final de 2018, oscilarem numa banda muito estreita –  entre os 0% e os 2,25% – ainda é possível encontrar diferenças entre os 17 bancos que acompanhamos. E dessas diferenças resulta um ganho maior ou menor ou, face à inflação ascendente, um maior ou menor capacidade de mitigar a perda de poder de compra.

A verdade é que nos últimos meses há cada vez mais dinheiro em depósitos à ordem (à taxa 0,00%) e cada vez menos em depósitos a prazo, mesmo sabendo-se, como comprovamos na página de melhores taxas de juro de depósitos a prazo, que ainda é possível encontrar depósitos não promocionais a um ano que pagam pelo menos 1,3% de TANB (no caso, do Banco Invest). Uma taxa bem acima da média de novos depósitos as famílias que, em agosto de 2018, segundo o BCE, em relação a Portugal e para depósitos acima de 1 ano, foi de 0,20% (média de 0,07% em Espanha para igual período).

Provavelmente alguns aforradores consideram que, para um juro tão baixo mais vale ter o dinheiro à ordem, o que fará sentido em termos racionais se considerarem, por exemplo, que o seu tempo vale mais do que o retorno que obteriam a mudar de banco (em busca do juro mais simpático). Notem contudo que podem ter um depósito a prazo sem terem uma conta à ordem nesse banco e evitando assim as comissões galopantes.

Quanto perde por ter o dinheiro parqueado? Na melhor das hipótese (ou pior, dependendo do ponto de vista), considerando a oferta regular que não depende de ofertas promocionais, um capital de €25.000 num depósito que remunera 1,3% de TANB rende, já descontados os impostos, cerca de €234/ano (€93,6 se forem €10.000 ou €468 se forem €50.000).

Seja como for, apresentamos neste artigo a última atualização da nossa informação sobre mais de 200 depósitos a prazo relativa a 2018.

Bons negócios!

Depósitos a prazo em Portugal

Taxa de juro média dos novos depósitos é três vezes superior à espanhola mas…

…não passa dos 0,20%! De facto, a taxa de juro média de novos depósitos a prazo constituídos ao longo do mês de agosto de 2018 foi de 0,20% (0,22% em julho de 2018) enquanto que em Espanha não passou dos 0,07%, praticamente um terço da portuguesa. Destaca-se que esta taxa diz respeito a depósitos novos e a mais de um ano, de famílias e empresas. A verdade é que estamos perante taxas marginais muito próximas de zero ainda que as médias escondam as melhores taxas de juro presentes no mercado.

Bem mais “encorpadas” são as taxas de juro ativas, ou seja, as que remuneram os bancos quando estes emprestam dinheiro a particulares e empresas. No mesmo boletim referente a agosto de 2018, o Banco Central Europeu informou que a taxa de juro média de novos depósitos, às empresas, com um prazo de até 1 ano, atingiu os 2,33% (2,37% em julho de 2018). Esta taxa foi significativamente superior à pratica, no mesmo mês e nas mesmas condições, em Espanha e na Alemanha, respetivamente 1,83% e 1,05%.

Para o conjunto total de crédito novo às empresas (independentemente do prazo) a taxa média foi praticamente igual: 2,35%. Ainda assim, restringindo o cálculo da média a empréstimos de até €250.000, a taxa de juro foi mais alta, 3,11% e está a subir (tinha sido de 3,03% em julho). Nos crédito acima de €1 milhões foi de apenas 1,81% registando uma queda significativa já que em julho havia sido de 2,04%.

Em termos globais, comparando taxas de juro passivas (as dos depósitos) com as ativas, e limitando a análise aos novos contratos de aforro e de crédito, a diferença em favor dos bancos foi de 2,13 pontos percentuais, ou, se preferirem, 213 pontos base.

As empresas em Portugal, apesar de pagarem taxas de juro mais baixas do que há alguns anos, continua a ter de suportar taxas médias acima da média da Zona Euro, persistindo, por esta via, uma desvantagem competitiva.

Depósitos a prazo

Bancos com as melhores taxas de juro de depósitos a prazo em 2018

Quais são os bancos com as melhores taxas de juro de depósitos a prazo em 2018?

A resposta vai variando ligeiramnete de mês para mês mas no essencial têm-se mantido estável no acompanhamento que temos feito desde o início de 2018.

No presente artigo apresentamos um ranking das 20 melhores aplicações financeira de biaxo risco, ordenadas por taxa de juro e que não sejam produtos promocionais ou só para novos capitais. Na lista sugem depósitos a prazo mas também os certificados do tesouro e de aforro do Estado, dividido por maturadades anuais (que juro pagam se os resgatarmos ao fim de um ano, dois anos e por aí adiante).

Note-se que a lista que aqui se publica é apenas uma amostra dos mais de 200 depósitos a prazo que analizámos nos sítios online dos cerca de 20 bancos que oferecem depósitos a prazo em Portugal. Esta pesquisa foi concluída a 8 de julho de 2018.

Para consultar a informação completa com os 220 depósitos poderá consultar a página sobre depósitos a prazo onde encontrará a ligação para o ficheiro excel que podera descarregar a manipular como entender.

Não se esqueça de consultar e comparar as fichas de informação normalizadas de cada depósito a prazo. O taxa de juro não é tudo.

 

 

Bancos com as melhores taxas de juro de depósitos a prazo – 8 de julho de 2018

 

Banco Prazo Nome do Depósito TANB TANL Tipo de Taxa Depósito Mínimo
 Nº Unidade
ESTADO – IGCP 7 anos(s) Certificados do Tesouro Poupança Crescimento 1,39 1,003 Crescente (média de 7 anos)+Variável PIB 1.000
ESTADO – IGCP 6 anos(s) Certificados do Tesouro Poupança Crescimento 1,25 0,900 Crescente (média de 6 anos)+Variável PIB 1.000
Banco Privado Atlântico – Europa 2 anos(s) SEMESTRAL 1,2 0,864 Crescentes (semestrais) 500
Invest 5 anos(s) 5 anos e um dia 1,2 0,864 Fixa 2.000
BNI Europa 5 anos(s) BNI Europa 5 anos 1 0,720 Fixa 1.000
ESTADO – IGCP 5 anos(s) Certificados do Tesouro Poupança Crescimento 1,11 0,799 Crescente (média de 5 anos)+Variável PIB 1.000
Banco Privado Atlântico – Europa 2 anos(s) DP Atlântico 1,1 0,792 Fixa 500
BNI Europa 4 anos(s) BNI Europa 4 anos 1,05 0,756 Fixa 1.000
BNI Europa 5 anos(s) BNI Europa 5 anos 0,95 0,684 Fixa 1.000
Invest 2 anos(s) Depósito 2 anos 1,1 0,792 Fixa 2.000
BNI Europa 3 anos(s) BNI Europa 36 Meses 1 0,720 Fixa 1.000
BNI Europa 4 anos(s) BNI Europa 4 anos 1,05 0,756 Fixa 1.000
Invest 6 meses + 365 dias 1 0,720 Fixa 2.000
BNI Europa 2 anos(s) BNI Europa 24 Meses 0,95 0,684 Fixa 1.000
BNI Europa 3 anos(s) BNI Europa 36 Meses 1 0,720 Fixa 1.000
Invest 1 anos(s) Depósitos a Prazo 0,9 0,648 Fixa 20.000
ESTADO – IGCP 4 anos(s) Certificados do Tesouro Poupança Crescimento 0,98 0,702 Crescente (média de 4 anos)+Variável PIB 1.000
BNI Europa 2 anos(s) 24 Meses 0,95 0,684 Fixa 1.000
Banco Privado Atlântico – Europa 1 anos(s) Rendimento Mensal 0,9 0,648 Juros mensais 10.000
Invest 1 anos(s) Super Depósito Crescente 0,9 0,648 Crescente (Trimestral) 2.000

Bons negócios!

Deutsche Bank vende balcões ao galego ABanca (antigo Caixa Galícia)

Segundo notícia do Expresso, o Deutsche Bank terá comunicado ao mercado que concordou vender a sua operação de retalho ao banco de origem galega ABanca, um banco tem atualmente 9 balcões fora de Espanha (estando presente em novo países). Quatro dos balcões estão em Portugal. O ABanca “herdou” a operação do Caixa Galícia e tem sede na Corunha.

O Deutsche Bank anunciou que manterá a sua operação em Portugal mas restrita à banca corporativa e de investimento.

A expectativa do Deutsche Bank é que todos os aspetos regulatórios bem com a transição do negócio esteja concluída no primeiro semestre de 2019. Não há neste momento indicações quanto ao destino dos 400 trabalhadores do Deutsche bank, sendo certo que a maioria não está afeta às áreas que se manterão no banco alemão podendo vir a migrar para a nova entidade.

O ABanca tem cerca de 4600 trabalhadores uma rede de balcões em Espanha que supera as 700 unidades. A sede em Portugal é em Lisboa na Avenida 5 de Outubro e tem ainda balcões no Porto, Braga e Viana do Castelo. O crédito à habitação tem sido uma das apostas mais importantes deste banco que está a operar em Portugal, com a atual designação, desde 2011.

O ABanca é um dos 20 bancos que temos acompanhado no nosso comparativo com os melhores depósitos a prazo em Portugal.

Taxa dos Certificados do Tesouro é quase 4 vezes superior à taxa média dos novos depósitos

A taxa de juros dos certificados do tesouro é quase quatro vezes superior à taxa de juro média dos novos depósitos até um ano.

Após comparamos a TANB dos certificados do tesouro poupança crescimento em 2018 durante o seu primeiro ano (0,75% de TANB) com a taxas de juro média dos novos depósitos até um ano indicada pelo Banco de Portugal e referente a janeiro de 2018 (0,2% de TANB) facilmente se constata que, mesmo estando a falar de um nível de juros globalmente baixo, a diferença entre estes dois produtos que, em termos de risco, são comparáveis, é significativa.

Convém reter que os certificados do tesouro só são livremente mobilizáveis após completarem o primeiro aniversário, algo que não sucede com alguns depósitos. Por outro lado, a comparação é feita com uma taxa média pelo que se impõe a pergunta:

 

O que aconteceria se comparássemos com depósitos a prazo particulares com maturidade a um ano?

 

Do nosso comparativo de depósitos a prazo (que incluem os certificados de aforro e do tesouro) e que atualizamos regularmente, resulta que os certificado do tesouro não oferecem a melhor taxa (considerando apenas depósitos não promocionais), mas não ficam mal classificados.

Surgem na nona posição que passa a ser a terceira se considerarmos depósitos que atigem um mínimo de subscrição não supeiror aos €1.000 com que já se pode subscrever certificados do tesouro poupança crescimento.

 

Banco Nome do Depósito TANB TANL Tipo de Taxa Depósito Mínimo
BNI Europa 12 Meses 1,1 0,792 Fixa 1.000
Banco Privado Atlântico – Europa Rendimento Mensal 1 0,720 Juros mensais 10.000
Banco Privado Atlântico – Europa 12 Meses 1 0,720 Fixa 500
Invest Super Depósito Crescente 1 0,720 Crescente (Trimestral) 2000
Invest Depósitos a Prazo 1 0,720 Fixa 20000
Invest Depósitos a Prazo 0,9 0,648 Fixa 2000
ESTADO – IGCP Certificados do Tesouro Poupança Crescimento 0,75 0,540 Fixa 1.000
ActivoBank Poupança Start 0,6 0,432 Depende de condições 3.000
EuroBic Sénior 0,55 0,396 Fixa 25.000

 

Recorde-se que os certificados do tesouro atualmente em subscrição têm uma maturidade máxima de 7 anos com taxa de juro anual crescente e com possibilidade de, a partir do segundo ano, dar direito a um “prémio correspondente a 40% do crescimento médio real do PIB nos últimos quatro Trimestres conhecidos no mês anterior à data de pagamento de juros” segundo informa o IGCP.

Sem considerarmos este prémio associado ao PIB, que poderá ou não surgir, a taxa de juro efetiva (considerando que se mantém a poupança sem resgates desde a subscrição) é a seguinte:

1º ano: 0,75%

2º ano: 0,75%

3º ano: 0,85%

4º ano: 0,97%

5º ano: 1,10%

6º ano: 1,24%

7º ano: 1,38%.

Esta taxa pode ser utilizada para uma comparação correta com depósitos a prazo com maturidades de 1, 2, 3, 4, 5, 6 e 7 anos.

Os certificado do tesouro podem ser subscritos an online via Aforro.net.

Pode encontrar mais informação atualizada regularmente em Melhores Depósitos a Prazo – Última atualização.

Os depósitos a prazo a um ano conseguem compensar a perda de valor imposta pela inflação?

Com a inflação a iniciar o ano de 2018 a desacelerar (veja “Inflação começa o ano 2018 em queda“) e com a queda das taxas de juro dos depósitos a prazo igualmente muito menos intensa, faz sentido avaliar até que ponto os depósitos a prazo, tipicamente considerados para colocar uma fração da poupança que se quer manter longe de altos riscos, conseguem cumprir com a função de eliminar ou mitigar o efeito de perda de poder de comprar imposto pela inflação e pelo passar do tempo. Neste artigo vamos concentrar-nos nos depósitos a prazo a um ano que venham a ser subscritos por estes dias do nao de 2018.

ADENDA 1MAR2018: Entretanto a inflação desacelerou mais em fevereiro “Inflação cai para cerca de um terço em dois meses – Fevereiro de 2018” 

 

Depósitos a prazo a um ano conseguem compensar a perda de valor imposta pela inflação?

Tomando por referência a taxa de inflação homólogoa registado em janeiro de 2018, apenas um depósito a prazo a um ano, disponível no mercado português, consegue garantir uma taxa de juro líquida de impostos que manterá o poder de compra do investimento caso durante esse ano a taxa média anual de inflação ficasse nos 1,1%: o Depósito Choice para Novos Montantes do Banco Invest que, tal como o nome indica, só se aplica a novos montantes colocados junto deste banco. Outra condição adicional para se pode subscrever este depósitos é garantir um depósito mínimo de €2000 (e máximo de €75.000). O Banco Invest paga 1,5% de TANB para este depósito que oferece para prazos de 3 meses, 6 meses e um ano; traduz-se numa TANL de 1,08%.

Restringindo a análise a depósitos que não são promocionais nem exigem novos montantes identificámos oito depósitos com taxa de juro acima dos 0,5% de TANB e ainda um outro produto de risco comparável, os certificados do tesouro se mantidos durante um ano.

Os certificados do tesouro, a um ano, pagam 0,75% de TANB. Não é de facto neste prazo que se tornam num produto extremamente competitivo mas, mesmo assim, surgem na sétima posição dos melhores depósitos a prazo não promocionais a um ano.

O topo da tabela é ocupado pelo BNI Europa que oferece uma TANB de 1,1% exigindo um depósito mínimo de apenas €1.000.

De seguida apresentamos um excerto com este TOP 9 (depósitos a um ano com taxas superiores a 0,5%) e convidamos os nosso leitores a consultarem o nosso comparativo com mais de 200 depósitos a prazo para vários prazos e condições.

 

Banco Nome do Depósito TANB TANL Tipo de Taxa Depósito Mínimo Depósito Máximo
BNI Europa 12 Meses 1,1 0,792 Fixa 1.000 N/A
Banco Privado Atlântico – Europa Rendimento Mensal 1 0,720 Juros mensais 10.000 250.000
Banco Privado Atlântico – Europa 12 Meses 1 0,720 Fixa 500 250.000
Invest Super Depósito Crescente 1 0,720 Crescente (Trimestral) 2000 500000
Invest Depósitos a Prazo 1 0,720 Fixa 20000 74999
Invest Depósitos a Prazo 0,9 0,648 Fixa 2000 19999
ESTADO – IGCP Certificados do Tesouro Poupança Crescimento 0,75 0,540 Fixa 1.000 1.000.000
ActivoBank Poupança Start 0,6 0,432 Depende de condições 3.000 45.000
EuroBic Sénior 0,55 0,396 Fixa 25.000 100.000

 

Em suma, os depósitos a prazo não estão propriamente entre as opções de investimento mais atraentes mas, uma boa escolha, permitirá que esta forma de investimento maximize o retorno para a fatia de poupança que o investidor não quer colocar nem em risco, nem a render os zero por cento garantidos pela opção de guardar no colchão.