Taxas de juro de depósitos a prazo afinal estão a aumentar

Quem esteja atento à evolução das taxas de juro nominais com que são remunerados os depósitos a prazo pode pensar que o título deste artigo é um disparate, contudo, se em vez das taxas nominais tomarmos as reais, o facto é que o juro pago pelos depósitos a prazo tem aumentado e muito. Eis as explicações.

Os dados mais recentes sobre as taxas de juro de depósitos a prazo dizem respeito ao mês de setembro de 2013 (dados do Banco de Portugal) e analisando-os constata-se que a taxa de juro  para depósitos até um ano pago a poupança de particulares continua a diminuir em termos nominais líquidos de IRS, tendo-se fixado em 1,40% (TANL). Em setembro de 2012 essa mesma taxa era superior: 1,87% TANL.

Contudo, no mesmo período, a taxa  juro real aumentou 2,2 pontos percentuais! Como é isso possível? É possível porque a taxa de inflação (ritmo a que sobem os preços) desceu muito mais depressa do que a taxa de juro a que se remuneram os depósitos a prazo. A taxa de inflação em setembro de 2012 era de 3,26% (superior à taxa de juro dos depósitos a um ano) e em setembro de 2013 tinha caído para apenas 0,59% (muito inferior à taxa de juro dos depósitos a um ano). Assim, se em setembro de 2012 depositássemos €100 e quiséssemos garantir que, a manter-se a taxa de inflação naquele momento, no final de um ano o dinheiro mais os juros que receberíamos seriam suficientes para adquirir pelo menos os mesmos bens e serviços, o depósito teria de ter uma taxa de juro que correspondesse à taxa de inflação (3,26%). Daqui se deduz, uma vez que a taxa média nos depósitos a um ano era de 1,87% em setembro de 2012 que quem constituía depósitos a essa taxa teria uma taxa de juro real negativa de 1,39%.

Hoje a taxa de juro líquida de impostos é superior à taxa de inflação (tantos para depósitos até um ano de particulares como de empresas) pelo que a expectativa é de que, no final do prazo, o poder de compra do aforrador tenha de facto aumentado e não diminuído. Um cenário muito diferente do que se registava em setembro de 2012. Hoje, um depósito até um ano deve ter uma taxa de juro real de cerca de 0,59% (já líquida de impostos). Para conhecer os depósitos que lhe remuneram as melhores taxas já sabe que deve consultar a nossa base de dados.

Consulte a nossa tabela com cálculos em cima de dados do Banco de Portugal e do INE.

Taxas líquidas de IRS dez-11 set-12 dez-12 set-13
Taxa de juro depósitos particulares (até 1 ano) 2,56 1,87 1,68 1,40
Taxa de juro depósitos empresas (até 1 ano) 2,92 1,18 1,33 1,46
taxa de inflação 3,65 3,26 2,77 0,59
Juros reais (descontada a inflação e IRS) dez-11 set-12 dez-12 set-13
Taxa de juro depósitos particulares (até 1 ano) -1,09 -1,39 -1,09 0,81
Taxa de juro depósitos empresas (até 1 ano) -0,73 -2,08 -1,44 0,87

6 comentários sobre “Taxas de juro de depósitos a prazo afinal estão a aumentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.